Um passo de cada vez
com Nikki Stubbs e Pam Warren, Sistema de Colégio Técnico da Geórgia

Contexto da Universidade: Atendendo às necessidades de força de trabalho

Formado por 22 colégios espalhados em 85 locais, o Sistema de Colégio Técnico da Geórgia (TCSG) é um mecanismo para avanço de carreira e desenvolvimento da força de trabalho, com 98% de nossos 27.000 diplomados no último ano encontrando trabalho ou continuando seus estudos. Como parte de nossa missão para aumentar o acesso do aluno a uma aprendizagem e treinamento de alta qualidade e econômicos, nosso HOPE Career Grant oferece matrícula grátis aos alunos qualificados que se inscreverem em um programa relacionado a um dos setores estratégicos da Geórgia. Nossos currículos e padrões se alinham aos requisitos de empresas e setores, enquanto nossas parcerias com universidades e faculdades de 4 anos da Geórgia oferecem transições tranquilas para alunos que queiram aprimorar seus conhecimentos acadêmicos.

Metas para o Ally: Estabelecer um senso de direção

Nossa equipe da Georgia Virtual Technical Connection (GVTC) trabalha com todas as nossas 22 faculdades para ajudar a aprimorar as ofertas on-line e melhorar o uso de ferramentas digitais. Depois de um esforço inicial das faculdades em lidar com a acessibilidade de seus sites, começamos a dar os primeiros passos para oferecer suporte às faculdades na correção dos problemas de acessibilidade com o conteúdo de seus cursos, focando em cinco áreas de alto impacto: Imagens, estilos, organização de conteúdo, links e cor. Como adiantamos, ajudar os instrutores a corrigir seus problemas de acessibilidade exigia mais que apenas enviar a eles uma lista de verificação por e-mail e indicar os padrões WCAG, mas esse foi o início da conversa.

Acreditamos que o Ally possa ajudar a tirar os instrutores do escuro e fornecer a eles os insights para uma abordagem mais iterativa para melhorar um item de conteúdo de cada vez.

Apenas alguns meses após o início de nossa iniciativa, o US Access Board publicou sua Atualização 508, exigindo que os campi estivessem em conformidade com a acessibilidade digital até o final do ano. Desnecessário dizer, isso causou um certo pânico entre os instrutores, que, sob pressão com uma ordem desse tipo, pode ter considerado mudar o formato do seu ambiente de curso. Precisávamos de ferramentas para nos ajudar a elaborar um sentido estratégico para os desafios à nossa frente e oferecer um suporte melhor aos instrutores. E foi quando descobrimos o Ally.

Estratégia de implementação: Ser melhores hoje

Para nossa equipe no GVTC, estabelecer mensagens consistentes e criar recursos de treinamento sólidos para nossas faculdades foi essencial na preparação de nosso lançamento do Ally. Colaborando com nossos “Pontos de Contato” (POCs) em cada uma das faculdades, usamos uma abordagem de formação de formadores para modelar as comunicações dos instrutores sobre a finalidade dos indicadores do Ally, enfatizando que os instrutores não precisavam corrigir tudo de uma vez nem começar a excluir conteúdo de seus cursos.

Queríamos ser claros: A meta não é ser perfeito até o final; a meta é ser melhor hoje.

Criamos módulos e materiais didáticos que abrangiam acessibilidade e Design Universal para Aprendizagem em nossos recursos de treinamento, focando nas formas que o conteúdo acessível poderia beneficiar as experiências de aprendizagem e os resultados de todos os alunos. Aproveitamos os recursos existentes da Blackboard para desenvolver nosso conteúdo de treinamento e aumentar nossa presença no desenvolvimento das faculdades e reuniões de grupo. Para ajudar os instrutores a superar mal-entendidos de que conteúdo acessível tinha que ser conteúdo chato, adotamos a abordagem “plus-one” de Thomas Tobin, que incentiva os instrutores a oferecer aos alunos uma alternativa ao conteúdo que pode ter problemas de acessibilidade.

Avaliação e resultados: Modelos para o sucesso

Implantamos o Ally em todas as 22 faculdades no mesmo dia e os resultados foram promissores. Embora houvesse, na verdade, muito trabalho de correção de conteúdo diante de nós, o Ally fornecia os “porquês” e “comos” essenciais sobre acessibilidade aos instrutores no curso, tornando o processo menos intimidante e mais orientado. Até mesmo alguns instrutores que foram inicialmente resistentes às ordens de acessibilidade ficaram satisfeitos em ter acesso a uma ferramenta que levasse transparência ao processo. Cada uma das faculdades possuía sua estratégia de lançamento do Ally, permitindo-nos (de uma perspectiva do sistema) analisar quais iniciativas produziam os melhores resultados. Seus relatórios institucionais revelaram aumentos positivos nas pontuações de acessibilidade em todas as 22 faculdades, com duas escolas obtendo aumentos de mais de 36% em um único período! O escritório de aprendizagem à distância de uma das faculdades enviava dicas e sugestões semanais aos instrutores, focando em um único problema explicado em um microguia de aprendizagem de uma página.

Descobri que depois que você muda sua mentalidade para um ambiente de aprendizagem com tudo incluído, fica exponencialmente mais fácil criar materiais de instrução do que fazer as coisas da maneira antiga”, Instrutor

A outra faculdade estabeleceu uma meta interna de alcançar 90% de acessibilidade em todos os cursos e priorizar seu suporte à correção, começando com os cursos que tinham alunos com necessidades especiais. A faculdade também implantou um curso de treinamento em acessibilidade obrigatório para os instrutores e usou um modelo de “curso mestre” para indicar que os cursos tinham atingido 90% de acessibilidade.

Pérolas de sabedoria: Diminua sua velocidade

Quando estiver diante de um volume muito grande de conteúdo inacessível, tentar subir a montanha mais alta e corrigir tudo de uma vez só provavelmente resultará em muita resistência e frustração. Em vez disso, trace um caminho que corresponda às suas forças e que aproveite os recursos disponíveis, como o Kit de ferramentas de adoção e comunicação do Ally, para oferecer suporte à sua jornada. Ao observar as práticas recomendadas aparecerem em 22 lançamentos do Ally, descobrimos que as faculdades podem fazer um progresso significativo em suas pontuações de acessibilidade adotando uma abordagem paciente e iterativa para corrigir problemas de conteúdo. Para preparar um caminho mais fácil para nossas faculdades, estamos aprimorando o modo como controlamos o progresso e o uso do Ally para que possamos ser mais responsivos às necessidades dos instrutores à medida que eles dão os próximos passos em sua jornada de aprendizagem inclusiva.

Recursos e exemplos