Você sabia que um bilhão de pessoas no mundo todo têm algum tipo de deficiência mental ou física? E que 12,9% de todos os estudantes da América do Norte têm algum tipo de deficiência? É importante se certificar de que seus comunicados sejam compreendidos por todos os seus alunos e membros da comunidade.

Mais sobre acessibilidade na educação


Melhores práticas de acessibilidade em todos os tipos de comunicação

Não importa se é por e-mail ou no Facebook, essas boas práticas de acessibilidade facilitam o processo de tornar as mensagens mais acessíveis.

  • Escreva uma mensagem simples. Deixe as frases curtas. Use palavras, ou combinações de palavras, com 1 a 2 sílabas quando for possível. Use contrações. Use ferramentas como o Hemmingway Editor para medir a legibilidade de seu texto.
  • Não use somente estilos de fonte ou cores para indicar importância! Quando precisar dar dicas visuais importantes, lembre-se de usar uma alternativa acessível. Use um ponto de exclamação no final de sua frase se for importante. Os leitores de tela destacam pontos de exclamação e de interrogação na entonação. Isso quer dizer que a ferramenta não lerá "ponto de interrogação", ela lerá em tom de questionamento conforme lê uma pergunta em voz alta.
  • Inclua textos alternativos em suas imagens. Você não precisa dizer "Imagem de", pois as ferramentas auxiliares já sabem que se trata de uma imagem. Seja conciso, claro e descritivo. Não use o mesmo texto alt para todas as imagens, como "Imagem ilustrando o texto associado". Não faz sentido e gera confusão.
  • Adicione legendas quando não puder acrescentar textos alternativos nas imagens. Se não puder acrescentar textos alternativos em suas imagens, faça questão de que o texto transmita toda a informação sem depender da imagem.
  • Crie links descritivos. Cada link deve descrever o que o usuário encontrará ao clicar nele. Evite usar frases genéricas como "clique aqui" ou "veja mais". Endereços da Web ou URLs não são considerados informativos e não devem ser usados. Em vez disso, deixe o texto descritivo.
  • Torne seus anexos acessíveis. Siga as mesmas boas práticas para tornar seus anexos acessíveis. Para saber mais, consulte Acessibilidade na Blackboard.
  • Inclua legendas ocultas ou transcrições em seus vídeos. Forneça um link para a transcrição caso seu vídeo não inclua legendas ocultas.
  • Experimente ouvir a mensagem para ter certeza de que está tudo certo. Use as ferramentas de “text-to-speech” disponíveis na maioria dos dispositivos para ouvir sua mensagem antes de enviá-la.

Acessibilidade nas redes sociais

Redes sociais nem sempre são acessíveis. Navegar por elas pode ser desafiador para os usuários com leitores de tela e o conteúdo nem sempre usa cabeçalhos, textos alternativos para imagens ou legendas ocultas. Isso não significa que você não pode usar redes sociais. É lá que seu público está. Garanta que seu conteúdo seja o mais acessível possível para alcançar todo o seu público.

Siga as melhores práticas de acessibilidade para todo o conteúdo que produzir e essas dicas ao usar o Facebook ou o Twitter.

Facebook

  • Forneça um texto alternativo para todas as fotos e imagens que publicar.
  • Forneça um link para transcrições quando postar vídeos.

Twitter

  • Diga ao público o que tem no tweet. Se o tweet tiver foto, vídeo ou áudio, use estes prefixos no início da publicação.
    • Fotos: [FOTO]
    • Vídeos: [VÍDEO]
    • Áudio: [ÁUDIO]
  • Coloque hashtags e menções no final do tweet.
  • Use o padrão CamelCase nas hashtags. Inicie cada palavra com letra maiúscula nas hashtags. Por exemplo, #AcessibilidadeNaBlackboard
  • Evite um linguajar que possa causar dúvida ou estranheza quando lido por leitores de tela.