Vantagens

As principais vantagens de usar as integrações do Sistema de informações do aluno (SIS) para transferir dados ao Blackboard Learn para preencher automaticamente e atualizar o sistema incluem o seguinte:

  • O gerenciamento dos dados do curso e do usuário podem ser delegados a um ou mais administradores que não precisam de acesso à linha de comando dos servidores da Blackboard.
  • Os dados podem ser transferidos rápida e eficientemente de um Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem (LMS) para outro.

Antes de iniciar

Antes de criar uma ou mais integrações SIS, é extremamente importante envolver todas as partes interessadas para planejar quais dados, de quais fontes e em que formato, serão usados pelo Blackboard Learn para preencher o sistema. Como a comunicação é unidirecional do SIS para o Blackboard Learn, todos os dados de cada curso, usuário e função do usuário devem ser definidos e descritos para a Blackboard. Além disso, todos os usuários devem ter credenciais que os identifiquem exclusivamente na Blackboard.

A coleta de dados do curso, usuário e inscrição é um processo recorrente. À medida que as pessoas entram e saem da instituição, os cursos são criados e as inscrições mudam, de forma que os dados na Blackboard devem ser alterados. A frequência com que os dados devem ser coletados e carregados é determinada pela política da instituição. As fontes de dados que fornecem informações ao sistema devem configurar procedimentos repetitivos para a entrega de dados aos administradores da Blackboard.

Sua instituição já pode ter um processo robusto, de acordo com as regras de negócios estabelecidas. Nesse caso, um planejamento extensivo pode não ser necessário, mas você precisará entender os requisitos de informações de que a Blackboard precisa, bem como a ordem e a frequência das tarefas que precisam ser concluídas. Se a instituição está somente começando a executar ou alterar os processos automatizados, um planejamento mais detalhado será necessário para que você tenha as regras de negócios e as informações disponíveis antes de começar.


Informações obrigatórias para usuários, cursos e inscrições

Você precisará fornecer à Blackboard as seguintes informações sobre usuários, cursos e inscrições para criar uma integração. Identificar de onde vem cada dado é a primeira parte do planejamento.

Informações obrigatórias
ObjetoElemento
Usuários (Pessoas)Identificador exclusivo da pessoa

Identificador de logon

Senha (para acessar a Blackboard)

Nome

Sobrenome

Apelido (opcional)

Endereço de e-mail

Função institucional

CursoIdentificador exclusivo do curso

Identificador do curso

Nome do curso

Fonte do conteúdo do curso (opcional)

InscriçõesConjunto de usuários associado para o Curso

Função do usuário no curso


Decidir o método de autenticação

Coletar um identificador de logon e uma senha para cada usuário. Você pode usar o sistema de autenticação nativo da Blackboard ou o sistema de autenticação da instituição.

  • Se você usar o sistema de autenticação nativo da Blackboard, o identificador de logon e uma senha estarão entre os dados do usuário coletados. O identificador de logon e a senha precisarão ser distribuídos para cada usuário.
  • Se o identificador de logon e a senha vierem do sistema de autenticação institucional, colete o identificador de logon e gere uma senha aleatória para cada usuário. O usuário então se autenticaria no sistema de autenticação institucional.

Definir fontes de dados

Embora seja possível coletar todas as suas informações de dados internamente de um LMS como o Vista, é muito melhor usar os dados institucionais oficiais que a instituição coleta e mantém. Esses dados institucionais provavelmente serão provenientes de diferentes fontes de dados. Quais são essas fontes de dados e quais dados você pode coletar delas já pode estar estabelecido em sua instituição ou ainda pode ser decidido. Em qualquer caso, você precisará ter fontes de dados acordadas e um método de extração de dados para criar uma integração.

Cada instituição é configurada de forma diferente, mas existem alguns lugares comuns para você encontrar as informações necessárias.

  • Sistema de informações do aluno (SIS): Repositório de informações do aluno, como nome, endereço, informações de contato, ano escolar ou datas de graduação.
  • O Escritório da Secretaria: Informação do catálogo do curso, bem como nomes dos cursos, descrição e informações da seção, além de informações de inscrição.
  • Departamento de recursos humanos ou Sistema de gestão de recursos humanos (HRMS): Informações que descrevem cada pessoa da instituição, incluindo instrutores, pessoal, adjuntos e assistentes de ensino (TAs).
  • Serviço de diretório escolar (páginas brancas): Procure números de telefones de funcionários e departamentos, endereços de e-mail e endereços de escritórios. Esse diretório pode ser uma fonte de informações para o LMS.
  • Departamento de TI ou serviços de computadores: Define métodos para autenticar os usuários, como um serviço LDAP. Pode gerar endereços de e-mail e credenciais de logon.

Resolver dados conflitantes

Quando os dados são coletados de várias fontes de dados, podem ocorrer elementos de dados conflitantes. É necessário estabelecer uma política para resolver os conflitos, para que o sistema saiba qual fonte usar. Por exemplo, o HRMS pode solicitar ao usuário um endereço de e-mail. A Secretaria também pode solicitar um endereço de e-mail. Os endereços de e-mail conflitantes podem ocorrer quando um usuário tem duas funções diferentes na instituição, como aluno e assistente de ensino ou pessoal e docente adjunto. Nesse caso, quando dois endereços de e-mail são diferentes, é necessário decidir qual fonte tem precedência.

Outro exemplo de elementos de dados conflitantes é quando o Escritório da secretaria e o SIS possuem endereços de e-mail diferentes para os alunos. O serviço de diretório da instituição também pode manter um endereço de e-mail para cada usuário. Uma maneira de resolver esse conflito é escolher uma fonte em vez de outra. Outra solução é permitir que o usuário configure seu endereço de e-mail na Blackboard.

Para criar integrações bem-sucedidas, os locais em que os elementos de dados conflitantes podem ocorrer precisam ser identificados e resolvidos.


Ordem de carregamento dos dados

Todas as informações de que o sistema precisa para criar usuários, cursos e inscrições são obrigatórias, mas como os dados podem vir de fontes diferentes, eles precisam ser carregados na Blackboard em uma ordem específica. As informações do curso e do usuário precisam ser carregadas primeiro porque as inscrições dependem dessas informações. A ordem de carregamento de dados é:

  1. Usuários
  2. Cursos
  3. Matrículas

As informações específicas para a criação de usuários, cursos e inscrições estão descritas nas seções abaixo.


Criar usuários

  • EXTERNAL_PERSON_KEY. Esse elemento é usado para identificar o usuário dentro da base de dados. Embora nunca exibida, essa chave não deve conter nenhum dado que possa identificar as pessoas, como nomes, números de registro ou datas de nascimento. A razão para isso é que os dados pessoais mudam. As pessoas se casam, se divorciam, alteram os nomes ou os números de registro. Ao não incluir dados que possam identificar as pessoas, você evita problemas com mudanças. Essa chave pode ter até 64 caracteres. Por causa do risco de exposição acidental de dados de um aluno a outro aluno, essa chave nunca deverá ser reutilizada. Uma vez emitida para um aluno, não deverá ser emitida de novo. A reemissão de EXTERNAL_PERSON_KEY corre o risco de tornar as informações de um usuário visível para outro usuário. Portanto, a Blackboard recomenda que essa chave faça parte de um espaço de chave muito grande. Uma boa maneira de construir essa chave, se você ainda não tiver um identificador adequado, é gerar um número hexadecimal aleatório de 16 a 20 dígitos por aluno. A grande variabilidade e distribuição aleatória permitem que a base de dados crie um índice equilibrado.
  • USER_ID. O USER_ID também é conhecido como um ID de rede, um nome de usuário ou nome de logon. Esse elemento, em conjunto com uma senha, é usado para autenticar um usuário no LMS. Se não houver um sistema de autenticação centralizado, é possível usar a Blackboard como o sistema de autenticação. Nesse caso, o administrador da Blackboard precisa criar USER_IDs e senhas para cada usuário. Se estiver usando um sistema de autenticação centralizado com um protocolo suportado pela Blackboard, recomendamos autenticar os usuários da Blackboard com esse sistema. Nesse caso, uma lista de USER_IDs ligadas às EXTERNAL_PERSON_KEYs deve ser preparada para carregamento na Blackboard. Isso também servirá como autorização para a Blackboard.
  • FIRSTNAME, LASTNAME, NICKNAME. Esses elementos determinam como a identidade do aluno é exibida na Blackboard. Se possível, faça com que a fonte dos dados dos nomes divida os nomes em seus componentes antes de serem enviados à Blackboard. Esse nome provavelmente será o nome oficial usado pela instituição para registros oficiais, como históricos escolares, formulários de imposto de renda ou carteiras de identidade. Nem todas as pessoas são chamadas pelo nome oficial. Algumas preferem um apelido. A Blackboard proporciona a capacidade de especificar (opcionalmente) um apelido com o elemento de dados NICKNAME. Configure o LMS para exibir o conteúdo de NICKNAME em vez do de FIRSTNAME. Como prática recomendada, formalize e centralize a coleta e armazenamento de apelidos.
  • EMAIL. O endereço de e-mail é necessário para a comunicação com o usuário.
    • A Blackboard suporta um endereço de e-mail por pessoa. Se o usuário tiver vários endereços de e-mail devido à coleta de dados de várias fontes de dados, ocorrerá um conflito. Normalmente isso ocorre quando um usuário tem mais de uma função dentro da instituição, por exemplo, aluno e assistente de ensino ou membro do quadro da equipe e instrutor adjunto. Você deve escolher apenas um e-mail para esse usuário.
    • Alguns instrutores podem querer usar um endereço de e-mail na Blackboard que seja diferente do endereço de e-mail oficial, e alguns alunos podem querer separar o endereço de e-mail do trabalho do endereço de e-mail social. Para tornar isso possível, o usuário precisa poder atualizar seu endereço de e-mail na Blackboard. (A instituição poderá decidir se os alunos podem atualizar seus endereços de e-mail.) Uma vez que um usuário alterar seu endereço de e-mail, você não poderá atualizá-lo novamente a partir da fonte oficial. A responsabilidade de manter o endereço de e-mail atualizado na Blackboard passa a ser do usuário. O perigo é de que o usuário se esqueça de atualizar seu registro oficial e a comunicação por e-mail não chegue ao endereço correto.
  • INSTITUTION_ROLE. Esse elemento tem uma função de usuário na instituição. Não se trata da função no curso, mas sim uma forma de identificar a função de um usuário na instituição. O INSTITUTION_ROLE determina o que o usuário pode visualizar na Blackboard. Essa função também é usada para especificar quais usuários terão privilégios elevados dentro do aplicativo. Se não houver o desejo de apresentar visualizações de página de portal diferentes aos usuários com base em suas funções na instituição, o elemento de dados INSTITUTION_ROLE pode ser definido como "nenhum".
  • SYSTEM_ROLE. Esse elemento tem uma função de usuário na Blackboard. Essa função oferece a capacidade de gerenciar aspectos da Blackboard. Os aspectos incluem a administração do sistema, a criação de cursos e o gerenciamento do conteúdo do curso. A função de "NONE" não oferece privilégios de administração de sistema ou criação de cursos e é a função mais comum.

Criar cursos

  • EXTERNAL_COURSE_KEY. Esse elemento identifica de forma exclusiva o curso. Não é visto por nenhum usuário da Blackboard. Como prática recomendada, formate esses elementos de dados para torná-los convenientes para organização e manipulação. Você precisará coletar vários elementos de dados que descrevam um curso de forma exclusiva ao longo de vários anos (o período de retenção de dados). Geralmente, a secretaria mantém um número que identifica de forma exclusiva o curso pelo menos dentro de um determinado semestre. Por exemplo, se você tiver um curso de química 301 para o primeiro semestre de 2012 com o número de curso exclusivo 12345, você pode escolher 2012_fall_12345_CH_301 como o valor de EXTERNAL_COURSE_KEY. Uma melhoria adicional é tornar todos os elementos do EXTERNAL_COURSE_KEY do mesmo comprimento, se possível, especialmente o departamento e as datas. Um semestre pode ser representado por um dígito de um mês: 1, 6, 9. Alguns Building Blocks de terceiros precisam que os campos tenham o mesmo comprimento. Isso é especialmente verdadeiro para as informações de datas. O exemplo anterior separou os elementos de dados individuais com um separador de dados consistente: o sublinhado "_".
  • COURSE_ID. Esse elemento é usado para módulos de portal ao organizar os cursos. Após a criação do curso, esse elemento não poderá ser alterado. Essa chave fica visível para usuários e deve conter informações de fácil entendimento para o usuário. Em geral, essa chave deve conter o ano e semestre para fins de organização. Também deve conter o departamento e os números do curso, além de um identificador exclusivo. Por exemplo, um COURSE_ID pode ser 2010_9_12345_CHEM_301. Use um separador de dados consistente. Recomenda-se o sublinhado. Por padrão, o módulo do portal "Meus cursos" organiza os cursos pelo COURSE_ID. Isso é importante para quando a lista de cursos ficar extensa.
  • COURSE_NAME. Esse elemento pode ser qualquer item que descreva o curso. Não precisa ser exclusivo e pode ser alterado durante o carregamento de dados ou pelo instrutor. Alguns Building Blocks se organizam pelo COURSE_NAME.
  • TEMPLATE_COURSE_KEY. O elemento opcional TEMPLATE_COURSE_KEY apresenta o nome de um curso existente que foi preparado com conteúdo. Algumas comunidades precisam oferecer cursos com conteúdo padronizado, o que é possível com o TEMPLATE_COURSE_KEY. Esse conteúdo pode incluir arquivos, pesquisas de opinião, questionários, anúncios e até instrutores. O modelo de curso deve estar completo antes de criar os cursos. O conteúdo é copiado para um novo curso no momento da criação. Alterar o modelo do curso após a criação dos cursos não causará nenhum efeito nos cursos já criados. O modelo de curso deve estar em sua versão final antes de criar novos cursos com base no modelo. Escolha uma nomenclatura padronizada para os modelos de cursos. Por exemplo, inicie os modelos de cursos com "modelo" seguido de um sublinhado e um outro identificador.

Criar inscrições

Uma inscrição é uma tarefa de um usuário em um curso e a definição da função do usuário, como aluno ou instrutor, no curso.

  • EXTERNAL_COURSE_KEY. Esse elemento é uma chave exclusiva dos dados do curso.
  • EXTERNAL_PERSON_KEY. Esse elemento é uma chave exclusiva dos dados do usuário. Essas chaves devem ser definidas antes que um determinado registro de inscrição possa ser processado.
  • ROLE. O elemento de dados ROLE define a função do usuário no curso.

Rotule e formate seus dados

Depois que identificar todas as fontes de dados, defina as regras de solução de conflitos e colete todos os elementos de dados de suas fontes. Você precisará criar alguns rótulos para seus dados, denominados Chaves de origem de dados (DSKs), para que um conjunto de dados possa ser processado em uma única operação. Você também precisa assegurar que seus dados estão formatados para que possam ser reconhecidos e processados da forma correta pelo tipo de integração selecionada.

Criar chaves de origem de dados

Uma chave de origem de dados é um rótulo que pode ser atribuído a um conjunto de dados para que este possa ser processado em uma única operação em vez de processar cada registro individualmente. Você pode criar várias chaves de origem de dados e usá-las para carregar e processar dados na Blackboard.

Como prática recomendada, crie suas chaves de origem de dados para que você possa carregar todos os itens de uma só vez. Atribua aos usuários uma chave de origem de dados. Atribua aos cursos de cada semestre uma outra chave de origem de dados. Dessa forma, você poderá manipular de forma eficiente o equivalente a um semestre de cursos, com um único comando, sem afetar os usuários. Carregue as inscrições de cada semestre em suas próprias chaves de origem de dados pelos mesmos motivos.

Crie o nome da DATA_SRC_KEY usando o ano, semestre e o tipo de dados. Por exemplo, use 2011_fall_SIS_courses para rotular os cursos do primeiro semestre de 2011.

Saiba mais sobre chaves de origem de dados

Formatar os dados

Os dados precisam ser formatados de uma forma que o Building Block da integração do SIS possa reconhecer cada elemento e processá-lo apropriadamente. Cada elemento de dados precisa ser identificado pelo seu tipo. A linguagem XML (Extensible Markup Language) fornece um método simples, generalizado e detalhado para descrever dados. O formato XML será ligeiramente diferente dependendo do tipo de integração selecionado.


Informações adicionais de planejamento

Como parte do seu planejamento para as integrações do SIS, você precisará decidir qual o tipo ou tipos de integração que deseja criar, bem como tomar outras decisões com base nas políticas e requisitos de sua instituição.

Tipos de integração

Existem seis tipos de integrações disponíveis, e o formato de dados será ligeiramente diferente dependendo do tipo selecionado. Não há limite para o número de integrações que um sistema pode ter. É incomum, embora possível, ter uma variedade de Tipos de integraçãoem um único sistema.

  • IMS Enterprise 1.1
  • IMS Enterprise 1.1 - Vista
  • Serviços de informação do aprendizado IMS
  • Arquivo simples de instantâneo
  • XML do instantâneo
  • Grades Journey

Para saber mais sobre o mapeamento de dados para cada tipo de integração, consulte Criar e editar integrações do SIS.

Criptografia de senha SSHA para serviços de informação do aprendizado IMS

A autorização é baseada em métodos usados pelo Sugard Banner. Se você definir o tipo de criptografia no campo mapeamento como SSHA, ele precederá o {SSHA} se este já não estiver lá. Além de definir e incorporar o prefixo SSHA, pwencryptiontype também é definido e incorporado, como mostra o exemplo a seguir:

<userid useridtype="SCTID" pwencryptiontype="SSHA" password="{SSHA}OMMjWPR+6fM/iQ+ZvpWHEVGxoAEFT0JUQUE4Qz==">N00013021</userid>

Plano para interrupções de comunicação

No caso de ocorrer um problema de comunicação entre o SIS e a Blackboard, você precisa de um plano sobre como lidar com a interrupção. É possível carregar seus dados manualmente para a Integração na GUI. Os acionamentos e backups do sistema precisam ser estabelecidos para manter seu sistema em bom funcionamento e os dados do sistema atualizados.

Definir o status da integração

A Blackboard recomenda que novas integrações comecem no status de Teste. Selecionar este status permitirá que você teste a Integração e repare quaisquer problemas que possam surgir antes da Integração. Quando o Teste for concluído, defina o status como Inativo ou Ativo. Um status Inativo não processará solicitações ou atualizará dados na base de dados. Quanto ao status Ativo, o sistema processará solicitações, atualizará os dados na base de dados e ficará visível aos usuários.

A Blackboard também sugere a criação dessa integração em um ambiente de Preparação ou Teste antes de autorizar a produção.

Registrar em log

Definir o detalhamento de log durante a criação definirá o tipo e a profundidade do log mantido no seu sistema para a Integração selecionada. Os registrospodem ser filtrados usando um método de busca avançado que inclui o tipo de erro, a integração e o intervalo de datas.

Configuração avançada

O Tipo de objeto do Learn e o tipo de objeto do seu sistema SIS são mapeados em uma lista, um a um. Selecione como manipular inserções, atualizações e exclusões para cada Tipo de objeto.

Saiba mais

Learning Information Services Specification Primer

Learning Information Services